terça-feira, 17 de janeiro de 2017

Labneh


Seguindo a saga do iogurte, fiz labneh.

Faço muito esse queijinho,sempre fiz com iogurte comprado pronto, porque os caseiros eram sempre muito líquidos. Porém depois desse iogurte maravilhoso, não há mais sentido! O labneh que fiz com o iogurte caseiro ficou muito mais saboroso e suave que qualquer outro que já fiz.

Para fazê-lo separei 2 xícaras (chá) do iogurte e misturei com 1/2 colher (chá) de sal. Uso um coador de café grande e dois filtros de papel. Coloco a mistura dentro do coador e o coador dentro de um bowl que contenha o soro que vai escorrer, cubro com um plástico e levo à geladeira. A cada 24 horas recolho o soro que se formou, depois de 72h o queijo está pronto. Você pode fazer bolinhas (usando duas colheres de chá) e colocar em um potinho com azeite e ervas, ou comer purinho, ou colocar azeite e temperinhos na hora de servir. É muito bom!

P.S. Esse da foto ficou 36h na geladeira, as bolinhas não ficaram tão firmes, mas ficaram deliciosas!

Iogurte, um mundo de iogurte




Sigo 2017 tentando emagrecer, dessa vez com acompanhamento de uma nutricionista. Eu gosto dela, de verdade, embora não confie que uma pessoa magra desde que nasceu saiba a necessidade que tenho de um docinho depois do almoço, ou o que é comer chocolate até perceber que o pacote acabou... Tenho tentado seguir o que ela me prescreveu, até porque ela tem sido super bacana e o roteiro alimentar é perfeitamente "seguivel". A não ser quando saio de casa. Basta bater a porta de casa e eu desligo mentalmente o botão controle, e isso atrapalha um pouco. Outro dia mesmo comi um alfajor do tamanho da minha cara. Aí fica difícil!
Mas quando estou em casa, tento seguir direitinho. Marido nem tá fazendo a reeducação, mas descobriu as frutas (que em temperatura ambiente ficam mais gostosas) e tem comido muitas delas por dia, tem sido muito bacana encher o carrinho de frutas e verduras semanalmente.
O fato é que na minha prescrição está escrito "iogurte integral caseiro", já fiz iogurte muitas vezes, funciona fazer em casa e você sabe bem o que tem na garrafinha. Mas vamos falar a verdade? Fica líquido, sim, bem mais líquido que o que você encontra no supermercado. Tinha me conformado, ou espessante, ou iogurte natural, porém molinho.
Fui fuçar na internet na esperança de encontrar uma receita diferente para mais uma remessa de iogurte, e encontrei. Adivinha em que blog?! No La Cucinetta! Sim, a Ana Elisa e suas receitas precisas! A receita não é nova, e não é magra, mas acho que se enquadra em "iogurte integral caseiro", e eu como pouco, juro!

Mas o iogurte é realmente muito bom! Espesso, não tão ácido, macio... Batido com ameixa seca virou um creminho delicioso. É muito bom, faça!

A receita não é difícil, mas precisa de um pouco de dedicação. Eu farei novamente em 10 dias, mas farei metade da receita e conto aqui se funcionou dividir a receita, porque rende mooooito iogurte! Sério! Já fiz queijo, bolo, batido com ameixa, comi com geleia e ainda tem um montão! Vocês verão que as próximas receitas serão baseadas no tanto de iogurte que tem aqui em casa! Em defesa da receita tenho que dizer que tudo que fiz com esse iogurte caseiro ficou incrível. Então façam! Foi sem dúvida o melhor iogurte caseiro que já fiz.

Aqui o "potinho" que coube o leite com o creme de leite, antes de colocar o iogurte, e o arranjo com o copo para deixar o termômetro em pé. O termômetro digital pifou, usei o termômetro para doces, e terminei testando a temperatura com o dedo a mesmo.

Receita original aqui e descrita abaixo:

IOGURTE INTEGRAL DEFINITIVO

Ingredientes:
2,5l de leite integral
1 1/4 xic. creme de leite fresco
1 xic. iogurte integral natural (se usar o caseiro, tenha certeza de que está bem fresco, ou o resultado será viscoso)

Preparo:
Coloque o leite numa panela grande de inox e de fundo bem grosso (panela larga é melhor, para facilitar a evaporação). Leve à fervura, abaixe o fogo para o mínimo e mexa o tempo todo com uma colher, mantendo a fevrura branda e deixando que o leite evapore até reduzir 1/3 do seu volume inicial. (Você terá cerca de 1,6litros na panela.)
Desligue o fogo, derrame o leite numa tigela grande de cerâmica ou vidro e junte o creme de leite, mexendo até que esteja bem incorporado. Deixe esfriar até 46ºC ou até que você consiga manter seu dedo mergulhado no leite por no máximo 10 segundos.
Junte o iogurte e mexa bem para distribuí-lo. Cubra com um filme plástico, enrole a tigela numa toalha ou manta (ou coloque numa sacola térmica) e deixe por no mínimo 5 horas, ou durante a noite.
O iogurte terá uma camada firme e espessa por cima e uma camada mais cremosa por baixo, com um pouco de soro. Leve à geladeira e consuma em no máximo 10 dias.
Obs: se você costuma colocar o iogurte em uma garrafa ou pote estreito, NÃO faça isso com esse iogurte. Use uma tigela e mantenha seu iogurte nela, pois ele é realmente espesso e você não conseguirá tirá-lo da garrafa. :P

É realmente muito bom!

Com geleia de frutas vermelhas é sensacional

quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

Risoto Milanês


Dia desses me aventurei no risoto milanês.

Em 2015 visitamos a Espanha e eu trouxe de lá pistilos de açafrão lindos (criados com Toddy), queria usá-los em uma receita especial, como sempre. Aí que folheando a revista que vem na assinatura de vinho do Marido encontrei a receita de risoto milanês. Ela é bem simples, como as boas coisas da vida, mas como todo risoto pede um pouquinho só de dedicação e paciência! Vale a pena, te garanto!

Abaixo a receita completa, fiz metade dela porque na ocasião éramos só eu e Marido a jantar.


Risoto Milanês

2 xícaras (chá) de arroz arbóreo (carnaroli ou vialone nano)
3 e 1/2 xícaras (chá) de caldo de vegetais
2 colheres (sopa) de manteiga
3 colheres (sopa) de cebola picada
1 colher (chá) de pistilos de açafrão
1/2 taca de vinho branco
1/2 xícara (chá) de queijo parmesão ralado grosseiramente

Em uma panela aqueça o caldo de vegetais, coloque nele os pistilos de açafrão e mantenha em fogo baixo. Em outra panela derreta a manteiga e refogue nela a cebola e o arroz. Adicione o vinho, mexendo sempre. Aos poucos coloque conchas do caldo, sempre mexendo o risoto e esperando que a água seja um pouco absorvida a cada adição. Cozinhe por cerca de 20 minutos, mexendo e completando aos poucos com o caldo de vegetais, até os grãos de arroz ficarem macios e cremosos por fora e com miolo firme. Desligue o fogo, adicione o queijo parmesão e sirva imediatamente.

Por aqui também rolou um "bifinho", creio que o nome correto é tornedor, de filé selado e temperado com sal e pimenta do reino.

Foi lindo!

Algumas fotinhas de Sevilha, que ganhou nosso coração!


Receita da revista Wine.com.br - Nº69 - Ano 06 - Setembro/2015

Molho branco + gorgonzola + massa curta cozida + parmesão ralado + forno para gratinar + nozes picadas = melhor jantar dos últimos tempos!

Ah! Teve vinho também! ;)

terça-feira, 10 de janeiro de 2017

Feliz ano novo e Panna Cotta

Feliz ano novo!


O ano que passou foi tão animado, viagens, saúde abalada, dúvidas existenciais, mudança de planos... Tinha tanta coisa pra resolver, que mal dava tempo pra pensar.
E ao mesmo tempo o ano se arrastou e demorou uns 5 anos pra passar. Vivo me perguntando como isso é possível.

Vamos às atualizações (ou não), seguimos morando em Aracaju, minha cozinha segue vermelha, eu sigo sem carteira assinada, sigo tentando emagrecer... mas meus cabelos, quanta diferença (juro)!

Antes das festas encontrei creme de leite fresco de boa qualidade e com preço bom, mas como ia viajar, só comprei uma garrafinha. Ontem fui comprar mais e, no one, não tinha mais, nem pra remédio. :(
Achar creme de leite fresco de boa qualidade em Aracaju, sem ter que deixar um rim no estabelecimento comercial é realmente difícil, o bom é que tem mais gente que pensa como eu. Queria conhecê-los, frequentar suas casas, fazer jantares com eles... (devaneios).
Enquanto não encontro mais creme de leite (fiz uma lista de receitas para usá-lo), não podia desperdiçar meu tesouro, fiz então a sobremesa preferida do Marido (depois da mousse de chocolate); Panna Cotta.

Eu acho muito engraçado. Quando ele vê que fiz panna cotta fala só um "hum hum", quando come fala "c@r$lh&, isso é bom demais, é minha segunda sobremesa favorita!". Fala isso TODAS as vezes que faço, adoro! Me sinto o pai do Nemo tendo que lidar com a Dory! ;)

Então sem enrolação vamos à receita!

Começo com a geleia de morango que uso não só para a panna cotta, mas para o iogurte, sorvete, torradas, bolo...

Geleia de morango

400g de morangos limpos (lavados e sem os cabinhos)
200g de açúcar

Misturo os dois e levo para cozinhar em fogo brando até que a maior parte dos morangos esteja desfeita e tenha se formado uma calda pouco espessa, lembre-se que quando esfriar, a geleia ficará mais firme.

Enquanto a geleia cozinha, esterilizo os vidrinhos onde vou colocá-la. Para isso basta ferver potinhos e tampas por 10 minutos, em água que os cubra completamente. Depois tiro da água fervente e coloco em um pano de prato limpo para secar.

Encho os potinhos com a geleia quente, fecho e os viro de ponta cabeça. Deixo esfriar assim, e só depois que esfria, desviro e guardo no armário. Não sei dizer bem quanto dura, porque aqui em casa faço de pouquinho em pouquinho e a gente come logo, mas já fiquei 3 meses com o potinho no armário. Agora, quando abrir é geladeira e consumir em 7 dias, mas eu duvido que dure 7 dias!

Panna Cotta

Uso a receita da Ana Elisa que não tem erro, o link está aqui e a receita abaixo:


300g de creme de leite fresco
300g de leite integral
125g de açúcar
5-7g de gelatina em pó (a quantidade menor produz uma panna cotta mais macia, e a maior, uma mais firme; escolha a que quiser. Eu uso 7g)
1 colh. (chá) de essência de baunilha (eu uso uma fava de baunilha)


Preparo:
Aqueça o leite, o creme de leite e o açúcar (eu ponho a fava e as sementinhas que raspei) até que este tenha dissolvido. Não deixe ferver, ou o calor matará a capacidade de gelatinização da gelatina.
Enquanto isso, coloque a gelatina em água (25g ou 35g, de acordo com a quantidade da gelatina). Deixe que ela absorva toda a água.
Desligue o fogo, (eu passo a mistura por uma peneira para retirar a fava) jogue a gelatina dentro do creme e mexa até dissolver. Junte a baunilha (como usei a fava, pulo essa parte).
Distribua entre as forminhas, deixe esfriar e leve à geladeira até firmar. Na hora de servir, passe uma faquinha pelas laterais e desenforme, cobrindo com calda de caramelo, chocolate ou frutas vermelhas (aqui já deixo nos potinhos que vamos comer e só colocamos a geleia por cima :P).



P.S. Quase desistindo de fazer aquelas fotos sensacionais para colocar no bloguito, vai ter receita com as fotos que consigo fazer mesmo!


quinta-feira, 5 de março de 2015

Bolo Mármore



Bolinho básico mas que aqui em casa todo mundo ama!

Ando out mesmo e a vida nem anda mais tão corrida assim, então não tenho desculpa! Mas senta aí, pega um pedaço de bolo e faz um café pra eu te atualizar!

Continuamos em Aracaju (forever, eu acho), saí do emprego formal em definitivo e tenho me dedicado à Lojinha mais fofa do mundo, a minha! Dá uma olhada lá e me diz se não tenho razão: www.dalulojinha.divitae.com.br.

O que significa que trabalho num lindo cantinho que descolei aqui em casa, trabalho sério com horário de entrada e saída, com agenda, calendário e tudo que eu tinha no antigo emprego. Mas é na minha casa né? Então no meio da tarde a pausa para o café é feita na varanda, olhando para a inspiradora vista do rio. Estou realmente feliz em fazer minhas artes profissionalmente, e isso reflete nos produtos e na vida! :)

O trabalho tem sido levado muito a sério, e a minha fada do lar continua por aqui, de maneira que tenho cozinhado menos e como AINDA preciso emagrecer (novidade!), cozinhado menos ainda. Mas felicidade é um sentimento que me faz querer cozinhar, então devemos ter mais atividade por aqui. Oremos! Porque cozinhar me faz bem!

Bom é isso! E por hoje aquela receitinha básica de bolo mármore que todo mundo ama!

Bolo Mármore

2 xícaras de farinha de trigo
2 xícaras de açúcar
4 ovos
1 xícara de leite
200g de manteiga
1 colher de sopa de fermento
1/2 xícara de chocolate em pó

Como fazer:

Bata manteiga e açúcar adicione as gemas uma a uma, até ficar um creme claro. Adicione a farinha e o leite aos poucos até que estejam incorporados. Misture as claras em neve e por último o fermento. Ponha 2/3 da massa em uma forma untada e povilhada (ou use aquele spray para untar formas como eu, que morro de preguiça de untar e povilhar). No restante da massa acrescente o chocolate e misture bem. Distribua a massa com chocolate na forma e use um garfo para misturar e formar o efeito mármore, mas não misture muito para não virar uma massa só, queremos um bolo mesclado!





quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Turbinando seu cuscuz


Passando só para dizer que colocar queijo minas padrão no recheio do cuscuz deixa o dito cujo mais irresistível ainda!

terça-feira, 26 de agosto de 2014

Terminando em pizza



De volta ao meu caderno de receitas!

Como você está? Tudo bem por aí? Por aqui está tudo bem, amém.

Eu? Continuo morando em Aracaju, trabalhando com planejamento financeiro e engenharia (oi?! As vezes eu também acho difícil acreditar) e cozinhando bem menos que gostaria.

A vida continua mais corrida para mim na capital da qualidade de vida, mas aos poucos tudo vai se ajeitando. O trabalho toma bastante tempo, é verdade, mas outros projetos também tem sua parcela de “culpa”.

Um deles é a lojinha virtual (www.lojadalu.divitae.com.br), que tem me feito muito feliz. Me realizo e esqueço do tempo quando sento para brincar de cortar e colar papel, fofuras e glíter.

Outro projeto que tomou tempo, dinheiro e um pouco da nossa sanidade foi a reforma do ap. Sim, agora eu tenho uma cozinha vermelha pra chamar de minha! #apaixonada Mas os quatro primeiros meses do ano foram caóticos.

Instalada na nova cozinha, AINDA precisando emagrecer e agora mais do que nunca precisando economizar, tenho ficado ainda mais “noiada” com essa história do que ando comendo, de onde vem a comida, o que está dentro dos pacotinhos...

Continuo fazendo muita coisa em casa, contando muitas vezes com o olhar torto do Marido, que acha um absurdo todo o processo pra fazer sorvete de creme, se basta comprar o pote.

No caso dos hambúrgueres, pães e bolos tenho sucesso absoluto e isso me faz seguir adiante!

Mas domingo aqui em casa é dia de pizza, e pizza era algo barato, e pizza ficou caro, e nós ficamos mal acostumados porque aqui em Aracaju tem uma das melhores pizzarias que conhecemos, e nós pedimos pizza todo domingo à noite. Pedimos tanto, que outro dia, uma terça feira à noite, a pizzaria ligou dizendo que éramos um dos 10 melhores clientes e que nos mandaria uma pizza!

Domingo passado cismei que ia fazer pizza, porque nunca deixaremos de pedir nossa pizza preferida no mundo, mas precisamos diminuir o ritmo, o tamanho da pança e as despesas mensais.

Sempre que quero fazer uma receita com “embasamento teórico” recorro ao La Cuccinetta. Suas receitas são precisas, testadas, ela também aprecia fazer sua própria comida, entende a ciência da coisa, tem dois filhos pequenos e faz você acreditar que é possível.

Domingo 17h eu jogava no google “pizza la cuccinetta” e a primeira receita que apareceu foi “minha nova massa de pizza favorita”. Nem vi as outras fui para a cozinha e fiz!

Às 20h estávamos à mesa, toalha xadrez, comendo pizza portuguesa (nossa preferida), eu estava super satisfeita com o resultado da massa fininha, crocante nas beiradas e macia no meio, com um monte de recheio e com a economia que havia feito!

No congelador guardei alguns discos de massa pré assada que serão testadas no próximo domingo, com tomates da feira e manjericão fresco que cresce na minha janela.

Para ler o post você clica aqui.

A receita original aqui embaixo (alguns links lá do início do blog não abrem mais, então agora vou transcrever as receitas):

PIZZA ALLA NAPOLETANA

Tempo de preparo: 2h

Rendimento: 1 pizza grande, 2 médias ou 5-6 individuais


Ingredientes:
•1 3/4 colh. (chá) fermento ativo seco (5g)
•1 pitada de açúcar
•1 1/3 xic. água morna (abaixo de 60ºC) (320g)
•1/4 xic. azeite de oliva (55g)
•3 3/4 xic. farinha de trigo (500g), de preferência orgânica
•1 1/2 colh. (chá) sal (7,5g)


Preparo:
1.Para fazer à mão, misture o fermento, o açúcar e a água numa tigela grande e deixe quieto por 5 minutos, até espumar. Misture o azeite. Junte a farinha e o sal, uma xícara por vez, misturando até remover os pontos de farinha seca. Vire numa bancada levemente enfarinhada e sove até obter uma massa macia, acetinada, mas firme, cerca de 8 minutos. Para fazer na batedeira planetária, junte o fermento, o açúcar e a água na tigela e deixe por 5 minutos até espumar. Com a pá, misture o azeite, e em seguida a farinha e o sal, até a massa ficar coesa. Troque pelo gancho e sove por 3 minutos. Termine de sovar por 1 minuto na bancada levemente enfarinhada.
2.Forme uma bola, coloque numa tigela grande untada com óleo, cubra com filme plástico e deixe fermentar até quase dobrar de tamanho, 45 minutos a 1 hora. Enquanto isso, coloque a pedra na grade inferior do forno e ligue no máximo.
3.Sove a massa ligeiramente por 1 minuto e abra à mão ou com um rolo, ou divida nas porções desejadas e abra em superfície enfarinhada, até que fique com cerca de 0,5cm de altura, deixando uma borda de uns 2cm.
4.Polvilhe uma superfície com farinha de milho, de arroz ou de trigo (as duas primeiras são melhores pois absorvem mias umidade) e coloque os discos de massa ali. Cubra com um pano de prato seco e deixe fermentar por não mais que trinta minutos.
5.Passe a massa para a pá de pizza (eu uso um salva-bolos grande, mas você pode usar o fundo removível de uma forma bem grande) e coloque a cobertura desejada (cerca de 1/4 xic. de molho de tomate e uns 200g de cobertura, incluindo o queijo, ou a pizza pode ficar pesada demais para deslizar da pá). Deslize a pizza cuidadosamente para a pedra.
6.Se a pizza for grande, coloque-a no forno sem o queijo, asse por uns 10-15 minutos, retire a pizza, distribua o queijo e volte-a por mais 10-15 minutos, para evitar que o queijo queime, assando num total de 25-30 minutos. Para pizzas médias, como a da foto, 15-20 minutos (a minha demorou 15). A pizza está pronta quando a borda está dourada e o queijo, borbulhante. (Cuidado ao comer, aliás, lembre-se de que a pizza está a 250ºC! :P )


Eu fiz discos menores como ela recomenda, assei na pedra de pizza que ganhamos no casamento e faz muita diferença!

P.S. Perdoa a fotinha, mas eu tava com tanta vontade de voltar! Prometo melhorar!

domingo, 24 de fevereiro de 2013

Hambúrguer




Faça seu hamburguer! Vá por mim.
Longe de mim pregar contra as praticidades do dia a dia, e os produtos que facilitam nossa vida.
Mas é que eu acho o hambúrguer vendido nos supermercados ruim. Se eu parar para ler seus ingredientes, e deixar a imaginação rolar solta só um pouquinho não consigo comer aquilo.
“Ah então quer dizer que você nunca comeu hambúrguer de supermercado?” Claro que já. Já tive fome na madrugada, depois de um balada e matei não um, mas vários hambúrgueres da lanchonete que ficava aberta na madrugada e, sim, eles eram de supermercado.
Já comprei também e fiz em casa diversas vezes. Mas depois que eu aprendi a fazer o meu, nunca mais achei graça nesses de supermercado.
Hambúrguer e batata frita é dos meus pratos preferidos (eu tenho paladar infantil-abafa).
Por isso mesmo amo a invasão de hamburguerias importadas, ou não, que tem acontecido ultimamente e que nos vendem um hambúrguer muito mais honesto (muito mais caro também).
Como eu ainda não descobri nenhuma hamburgueria em Aracaju é essa receita que tem saciado meu desejo!
É uma opção para fazer seu hambúrguer “gourmet”, bem mais barato e em casa.
A receita eu peguei no Panelaterapia, você vê aqui ó.

E aqui também!

Hmabúguer Caseiro

Usei:
1kg de fraldinha moída.
1 colher (sopa) de alho triturado;
3 colheres (sopa) de caldo de carne líquido;
1 colher de shoyu (molho de soja);
1 colher (sopa) de mostarda;
sal e pimenta do reino.

Moldei hambúrgueres mais altos que os tradicionais e me rendeu 9 hambúrgeres grandinhos!

Congelo embalados individualmente e na hora de assar basta aquecer um frigideira anti aderente e grelhá-los até o seu ponto.

Servi com as batatas rústicas que já mostrei aqui.





quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

O cozido da Katita

E cá está o melhor relato de como preparar um cozido que eu já li.

Eu tenho "minha receita" há anos, mas não resisti a essa. E fiquei com vontade de fazer para Marido e eu, mesmo correndo o risco de tomar sopa de cozido por uma semana!

Receita precisa no que pode ser preciso em fazer cozido, poético e cheio de amor, como toda comida deve ser.

Sim há poesia no cozido!

Você vê aqui.

terça-feira, 12 de fevereiro de 2013

O ano começa amanhã... Faça maionese!

Dizem que o ano só começa depois do carnaval. Se nem quando morava na Bahia achava que isso se aplicava a minha pessoa, agora então!
O trabalho pega fogo e o ano já prometia muito antes do carnaval.
Muitas resoluções de ano novo e a promessa de comer cada vez menos porqueira me levaram a querer fazer maionese em casa.
Na verdade o desejo mesmo veio no Natal, quando comi de novo a maionese caseira de Tia Ceiça. Ah! Sabe aquela comida de infância que não mudou nadinha?!
E como o universo conspira, dias depois li esse post da Ana Elisa, foi o que faltava!
É fácil, rápido e muito, muito mais gostoso do que você imagina; faça maionese!

Segui a receita do La Cuccinetta (aqui) e recomendo!

quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

Feliz 2013 e azeite aromatizado.

Ainda não tinha passado aqui para abrir os trabalhos em 2013.
A virada do ano foi deliciosa, na beira da praia como eu gosto!
Logo, logo o ano começou e começou agitado. Ainda bem!
Andei inspirada e teremos comidinhas em breve, só preciso de um tempinho me organizar!
Só passei mesmo pra desejar um ano muito feliz, com paz, saúde e amor para todos nós.
Ah! Ia esquecendo. Passei também porque achei o máximo esse azeite aromatizado com alho e alecrim. Não tem receita, bastar colocar o alho e o alecrim (ou o que preferir) no potinho, completar com azeite honesto e esperar alguns dias.
A parte mais difícil claro, é esperar!